A importância do Plano de Negócios para a Pequena e Média empresa
Ricardo Formanek A estabilidade da economia brasileira, alcançada pouco a pouco após a implantação do Plano Real em 1994, pavimentou a estrada rumo ao crescimento econômico nacional, observado, sobretudo, entre os anos de 2005 a 2009. Muito desse crescimento deveu-se à expansão do mercado chinês e sua fome por matérias-primas provenientes das mais diversas regiões do globo. Em 2011, a forte crise europeia e americana arrefeceu o crescimento mundial e fez com que as empresas brasileiras e grandes grupos multinacionais voltassem seus olhos para nosso mercado interno. Abrir o próprio negócio sempre foi o sonho de muitos profissionais, o desejo de “virar patrão”, “ser dono do próprio nariz” e não ter mais chefe impulsionaram esses profissionais rumo ao desafio de se tornarem empreendedores. Infelizmente, durante os anos de 1980 e até o início dos anos 2000, essa transição de carreira ocorria muito mais por necessidade do que propriamente por vocação e, justamente por não haver um planejamento adequado, a maioria dessas empresas encerrava suas atividades antes de completar dois anos de existência. A partir dos primeiros anos do século XXI, o maior acesso à informação, maior grau de escolaridade dos empreendedores, facilidade em buscar fontes de financiamento e ascensão de um contingente maior de pessoas ao mercado de consumo nacional, provocaram um aumento na taxa de sobrevivência das empresas brasileiras. Conforme estudo do SEBRAE, em 2006, a taxa de empresas que mantiveram suas atividades após dois anos de seu início foi superior a 70%. Uma das ferramentas especialmente útil na formatação de uma nova empresa ou no estudo de viabilidade de um novo negócio é o Plano de Negócios.  Hoje em dia, é muito comum ouvirmos histórias de pessoas que investiram todas as suas economias em um negócio que não foi pra frente e a explicação, na maior parte dos casos, é a falta de um planejamento adequado. O Plano de Negócios é uma ferramenta extremamente útil para a visualização do ambiente no qual a futura empresa irá operar. A correta elaboração do Plano permite antever a necessidade de investimentos diversos, qualificação e quantidade de funcionários, custos operacionais, estratégias de marketing, logística e processos internos. O Plano de Negócios permite ainda um estudo aprofundado sobre os clientes potenciais e a cadeia de fornecedores necessária para que o negócio funcione de maneira confiável desde seu início. Por fim, a criação de um Plano de Negócios realista e bem estruturado define o capital de giro necessário à operação e projeta o fluxo de caixa empresarial para os primeiros anos do projeto, tornando possível a análise da viabilidade econômica do empreendimento. O futuro empreendedor deve entender que, além de uma boa ideia e de sua disposição para o trabalho, o planejamento adequado servirá não apenas para garantir sua sobrevivência nos primeiros anos, mas também para permitir um crescimento consistente ao longo do tempo. http://www.consultores.com.br/artigos.asp?cod_artigo=1229